Breve Histórico

 

 

O VIII Congresso Brasileiro de Educação Especial (VIII CBEE) / XI Encontro Nacional dos Pesquisadores da Educação (XI ENPEE) é uma proposta conjunta da Associação Brasileira de Pesquisadores em Educação Especial – ABPEE, e do Programa de Pós-Graduação em Educação Especial – PPGEES da Universidade Federal de São Carlos- UFSCar, que consideram que o evento é uma ação importante para estimular a produção científica nessa área, divulgar o conhecimento que vem sendo produzido, promover o intercâmbio entre pesquisadores e profissionais, e atender a demanda emergente por novas práticas decorrente da diretriz política educacional de inclusão escolar adotada pelo país.

A ABPEE foi criada em 13/08/1993, na cidade do Rio de Janeiro e conta atualmente com cerca de 300 afiliados. Trata-se de uma sociedade civil de direito privado, sem fins lucrativos, que tem por objetivo congregar pesquisadores da área de Educação Especial, promover ou apoiar conclaves científicos, cursos de aperfeiçoamento e especialização, em parceria com universidades; e manter um veículo de publicação visando à disseminação e a socialização do conhecimento científico na área de Educação Especial.

Em 1992 a ABPEE criou um periódico da área, a Revista Brasileira de Educação Especial, atualmente classificada no Qualis/CAPES, com o conceito periódico A2. A partir da regularização de seu periódico, a ABPEE ao completar seus 15 anos de existência, ousou investir em novas metas e promoveu, juntamente com o PPGEEs da UFSCar, seu primeiro evento científico de âmbito nacional, que foi o I Congresso Brasileiro de Educação Especial realizado, no ano de 2003 e desde então se tornou parceira em todas as sete edições anteriores dos CBEE.

O histórico do PPGEEs de promover eventos na área de Educação Especial teve seu início em 1982, com a realização do primeiro da série denominada “Ciclo de Estudos sobre Deficiência Mental”, que era a princípio um espaço interno de intercâmbio interno entre alunos e docentes. Durante a década de 80 os ciclos passaram a atrair cada vez os mais pesquisadores e profissionais da área, de todo o país, o que denunciava a falta de espaços suficientes para discussões sobre a Educação Especial nesse período.

Atendendo a demanda constatada, o PPGEEs optou por socializar o evento, e os “Ciclos de Estudos sobre Deficiência Mental” passaram a se configurar num importante espaço para o intercâmbio científico no país. Embora a relevância dos eventos científicos em Educação Especial tenha se ampliado ao longo dos anos, a partir da 8ª versão do ciclo, realizada em 1995, o PPGEEs teve dificuldade em obter financiamento das agências e a organização dos ciclos foi temporariamente suspensa.

A partir de 2003, a ABPEE e o PPGEEs se uniram para instalar um espaço de intercâmbio científico específico na área, e juntos promoveram O “I Congresso Brasileiro de Educação Especial/I Encontro da Associação Brasileira de Pesquisadores em Educação Especial”. Desde então foram realizadas sete edições do evento, todas no campus da Universidade Federal de São Carlos, nos anos de em 2005, 2008, 2010, 2012, 2014 e 2016.

Os resultados da última edição deste evento, o VII CBEE, no ano de 2016 foram:
1) Submissão de 1.130 trabalhos, dos quais 914 (81%) foram aprovados e 216 rejeitados: (19%). Dos trabalhos aprovados, 585 foram de comunicação oral, 175 pôsteres de pesquisa em andamento, e 154 pôsteres - relato de experiência;
2) Participaram do evento 91 pesquisadores convidados, sendo 11 estrangeiros; 66 provenientes de instituições brasileiras e 24 da UFSCar (4 pós-doutorandos e 20 docentes UFSCar).
3) Foi publicado o livro de programa na forma impressa e em ebook, disponibilizado no site e redes sociais (http://2016.cbee-ufscar.com.br/sites/default/files/inline-files/999999999.20161101090253980.999999999.20161101090253980eYfk5.pdf)
4) Criação e publicação da uma página na web dos anais contendo todos os trabalhos completos aprovados para a apresentação na íntegra (Link: https://proceedings.galoa.com.br/cbee7).
5) Desenvolvimento de um aplicativo com a programação do evento, lista de palestrantes, lista de trabalhos completos, vídeos com áudio descrição e línguas de sinais apresentando os locais de realização do evento da UFSCar, Mapa do campus e feed de notícias. Ao todo foram feitos 384 downloads do aplicativo, dos quais 106 em celulares com sistema operacional iOS e 278 com sistema operacional android. Durante o evento foram realizados 2431 acesso ao aplicativo, 1501 mensagens trocadas e 4.340 visualizações somando todas as seções. A maior parte destas visualizações foram para a seção de programação, com 1960 visualizado, seguida pela seção dos trabalhos com 714 visualizações. Os respondentes tiveram por volta de 500 a 400 visualizações cada.
6) Foram 1.837 inscritos, dos quais 1311 inscrições concluídas, dos quais:
a)    1.307estudantes, Professores da Educação Básica e Sócios da ABPEE;
b)     375 profissionais e público geral
c)    77 palestrantes convidados (Brasil, França, Inglaterra, Cuba, Itália, México, Inglaterra, Portugal) e;
d)    200 isentos da Comissão Organizadora e de apoio: 200 (entre alunos da graduação e pós-graduação);
e)     Dentre os participantes declaram deficiência 37 participantes, dos quais 15 surdos ou com deficiência auditiva, 15 com deficiência visual e 7 com deficiência física.
O público foi, majoritariamente, de mulheres (1153) provenientes de 278 cidades brasileiras diferentes, oriundas de todos os estados brasileiros, com exceção do Acre. Os dez estados com maior público foram: SP (501); RJ (124); PR (82); RS (58); MG(54); BA(52); PA(44); MS(43); SC(38) e AM(22). Além de disso foram 14 inscritos de outros países (México, Cuba, EUA, Portugal, França, Itália, Inglaterra).

Assim, os resultados da sétima edição do evento, evidenciaram a consolidação do CBEE e o fato de que este vem cada vez mais se tornando num dos mais importantes fóruns de intercâmbio entre profissionais que atuam em Educação Especial na atualidade em nosso país
O objetivo geral desta oitava edição será o de promover um fórum próprio para a área de intercâmbio entre profissionais que atuam em Educação Especial (pesquisadores, políticos e prestadores de serviços) para debater questões que viabilizem formas de pensar e agir com maior eficiência nesta área. Os objetivos específicos do evento serão:

1. Divulgar e avaliar o conhecimento produzido na área no âmbito nacional
2. Disseminar as derivações práticas, através da transferência de tecnologia do atual estágio do conhecimento em diferentes áreas das consideradas deficiências, altas habilidades/superdotação e transtornos globais do desenvolvimento;
3. Proporcionar um fórum de integração entre a produção do conhecimento e a prática junto ao público-alvo da Educação Especial.
4. Promover um intercâmbio entre pesquisadores nacionais e internacionais.
5. Oportunizar formação continuada para os envolvidos.